terça-feira, 9 de setembro de 2014

Canção do Exílio - Gonçalves Dias

Minha terra tem palmeiras,
Onde canta o Sabiá;
As aves, que aqui gorjeiam,
Não gorjeiam como lá.


Nosso céu tem mais estrelas,
Nossas várzeas têm mais flores,
Nossos bosques têm mais vida,
Nossa vida mais amores.



Em cismar, sozinho, à noite,
Mais prazer encontro eu lá;
Minha terra tem palmeiras,
Onde canta o Sabiá.

Minha terra tem primores,
Que tais não encontro eu cá;
Em cismar — sozinho, à noite -
Mais prazer encontro eu lá;
Minha terra tem palmeiras,
Onde canta o Sabiá.


Não permita Deus que eu morra,
Sem que eu volte para lá;
Sem que desfrute os primores
Que não encontro por cá;
Sem qu'inda aviste as palmeiras,
Onde canta o Sabiá.

Poeta Caxiense Antonio Gonçalves Dias (Coimbra, julho de 1843)        

4 comentários:

  1. Caxiense Gonçalves Dias, grande poeta, romantismo e indigenista brasileiro.

    ResponderExcluir
  2. É um poema de saudação a nossa terra onde as aves, os amores e as flores são melhores do que em qualquer outro lugar. Um importante elemento trazido pela canção gonçalvina é que a palmeira e o Sabia tornaram-se símbolos da identidade nacional brasileira.

    ResponderExcluir
  3. Lindo poema...retrata a beleza de nossa terra.

    ResponderExcluir
  4. Amo tanto a minha cidade Caxias, mas tive que sair de vez e morar em Goiás, não esqueço um só momento desta terra que vivi e continuo vivendo através de pensamento. Beijos a todos. Betinho. Obs;Morei no Cangalheiro.

    ResponderExcluir